29 de outubro de 2007

SPORTING- AS QUESTÓES QUE SE LEVANTAM EM TEMPO DIFICIEIS

E já se fala em crise…...e outra coisa não era de esperar…as vitórias não aparecem, as prestações têm sido de baixa qualidade e a intranquilidade é notória.

Esperar 39minutos para fazer um remate frente ao Nacional tem de ser preocupante!!
O plantel apresenta várias lacunas, isso é irreversível, acredito que alguns reforços até tenham sido segundas escolhas, mas também acredito que se Pedro Silva e Derlei (eram mesmo reforços) estivessem aptos iriam ser muito úteis à equipa.
Agora isto não é desculpa para quilo que a equipa está a produzir….Confesso me admirador de Paulo Bento, tem feito um trabalho fantástico…mas estou com grandes dificuldades em compreender certas opções.
A opção em colocar Miguel Veloso a defesa central tem mesmo de ser questionada:
- mas o problema não é só Veloso a central, é ter de condicionar a movimentação de Moutinho e assim ficar à espera de uma inspiração dos jogadores mais criativos. E Moutinho é daqueles que não depende de “inspirações”, joga sempre com a mesma intensidade e qualidade, por isso neste Sporting não pode jogar “amarrado”.

-Em Roma até compreendo esta opção, pois Gladstone pode não estar bem, e nesse jogo o Sporting já sabia que o domínio e o controlo iam pertencer maioritariamente à AC Roma, ou seja, Paulo Bento sabia que o centro de jogo e a posse de bola iriam estar sempre mais perto da grande área do Sporting.

- Mas para a Madeira a estratégia era diferente, o Sporting tinha que ter o controlo do jogo, tinha que ter uma boa e rápida circulação da bola, era obrigatório “prender” o Nacional ao seu meio campo defensivo, para criar mais situações de finalização, e neste aspecto era fundamental ter Veloso no meio campo e Moutinho mais liberto para tarefas ofensivas. Izmailov e Vukcevic são daqueles que necessitam de uma maior inspiração para poder desequilibrar e só Romagnoli não chega.
Agora outros dos grandes problemas continua a estar no parceiro de Liedson:

- Yanick Djaló, nota-se que não tem a mínima confiança, a bola parece que lhe queima nos pés, precisa de tempo para crescer, o ideal era um clube que não lhe desse tanta pressão como o Sporting.
Não seria melhor ter ficado com Varela e emprestado Djaló? Desconfiou que sim…..!

O outro caso chama-se Purovic, o jogador que como Paulo Bento anunciou, vinha dar outro tipo de soluções, mais concretamente quando fosse necessário recorrer a um método de jogo mais directo, concordo plenamente, agora ninguém poderia adivinhar que Derlei iria acabar a época em Setembro.

Mas como poderá render Purovic?

- È um ponta de lança que precisa claramente de que lhe ofereçam situações para finalizar, principalmente de alguém que o faça usufruir dos seus 1.91m, aí sim está o problema, o Sporting tem poucos jogadores que consigam cruzar da melhor maneira, Ronny, Abel e Vukcevic são os únicos que me parecem ter essas condições! Encostar Djaló ao lado direito e vê-lo a tentar cruzar é arrepiante, e depois na maior parte das vezes quando Purovic entra, já Vukcevic não está em campo, ou seja, apenas Abel e Ronny a cruzar e ainda por cima quando nas partes finais dos jogos já não há grande discernimento para o fazer, não me parece a melhor opção. Porque não lhe dar mais oportunidades de jogar de inicio? Acredito que Djaló sem bola poderá ser mais útil, oferece mais mobilidade e provoca mais espaços, mas isso não chega.

Agora continuo a defender que para certos jogos o Sporting deveria alterar alguam coisa e tentar criar condições para que joguem os 11 melhores, (mesmo correndo o risco de Liedson desaparecer mais do jogo), mas aposto que a equipa poderia render mais (Mourinho fazia-o na Liga dos Campeões, quando deixava McCarthy sozinho na frente e Carlos Alberto por perto), mas repito, não obrigatoriamente em todos em jogos.
Prender Liedson na frente (duvido muito que mesmo assim não fizesse a diferença) e depois com Moutinho a aparecer vindo detrás, Romagnoli, Izmailov e Vuckcevic com muita mais mobilidade e dinâmica, de certeza que haveria maior criatividade e imprevisibilidade , e…….qualidade. E imprevissibilidade é daquelas coisas que não se treina. Amarrar demais os jogadores ao sistema do treinador é um erro cada vez mais comum. Mas arriscar perder organização também o é……por isso é aqui que se distinguem os grandes treinadores, dar à equipa o máximo de criatividade mas sem perder a organização. Paulo Bento tem tudo para brilhar....!

Abraço e volto em breve…..

M&C

1 comentário:

PJS disse...

O Sporting já não ganha há três jogos. Se a derrota na Champions com a AS Roma é desculpável, a perda de mais dois pontos na Liga é algo preocupante. A formação de Alvalade está numa fase de pré-crise e com isto vê o líder FC Porto cada vez mais longe. Depois do empate (0-0) no Nacional, Paulo Bento vai ter que retocar a equipa em termos psicológicos, sob pena de perder o controlo moral dos leões. Quanto ao resto, que chegue rápido a reabertura do mercado de Inverno...

altobola.blogspot.com

Google-search box

Google